Teor de água e tempo de exposição ao tratamento térmico na germinação de sementes de caiaué

Artigo principal Conteúdo

Wanderlei Antônio Alves Lima Marcia Green Walmes Marques Zeviani Ricardo Lopes Sara Almeida Rios

Resumo

O caiaué, também conhecido como dendezeiro americano, pertence ao mesmo gênero do dendezeiro africano. A hibridação artificial interespecífica entre essas espécies é comum principalmente para resistência a doença que afeta a espécie africana, mas que não afeta ao caiaué o qual transmite essa característica ao híbrido interespecífico. O caiaué é propagado por sementes, que, assim como o dendezeiro, apresentam dormência. São poucos os estudos sobre os procedimentos para quebra de dormência de sementes de caiaué, sendo estes adaptados dos procedimentos adotado para o dendezeiro, mas as taxas de germinação são muito inferiores as dessa espécie. O objetivo foi avaliar o efeito do teor de água das sementes e do período de tratamento térmico na superação da dormência e na germinação e vigor das sementes de caiaué. O experimento foi realizado no delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial simples 5 x 3, sendo cinco intervalos de graus de umidade: 18-19; 19-20; 20-21; 21-22 e 22-23% e três períodos de tratamento térmico: 55, 75 e 100 dias, com três repetições de 500 sementes cada. Foram avaliadas a porcentagem total de sementes germinadas, porcentagem de germinação na primeira contagem e o índice de velocidade de germinação. Tanto o grau de umidade da semente como o período de tratamento térmico influenciaram a germinação e o vigor das sementes de caiaué. As maiores taxas de germinação são obtidas com teores de água das sementes de caiaué entre 20 e 23%, na entrada do termogerminador, com tratamento térmico por 75 dias. 

Detalhes do Artigo

Como Citar
LIMA, Wanderlei Antônio Alves et al. Teor de água e tempo de exposição ao tratamento térmico na germinação de sementes de caiaué. Revista de Ciências Agrárias/Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences, [S.l.], v. 60, n. 2, p. 192-198, out. 2017. ISSN 2177-8760. Disponível em: <http://ajaes.ufra.edu.br/index.php/ajaes/article/view/2625>. Acesso em: 23 abr. 2018.
Seção
Artigos Científicos

Referências

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395 p.
BRETZ, F.; HOTHORN, T.; WESTFALL, P. Multiple comparisons using R. Boca Raton: CRC: Taylor & Francis, 2011. 187 p. Disponível em: http://www.ievbras.ru/ecostat/Kiril/R/Biblio/R_eng/Bretz%20Multiple%20Comparisons.pdf. Acesso: 8 agostos 2016.

CAMILLO, J.; BRAGA, V. C.; MATTOS, J. K. A.; LOPES, R.; CUNHA, R. N. V.; PADILHA, J.; SCHERWINSKI-PEREIRA, J. E. Seed biometric parameters in oil palm accessions from a Brazilian germplasm bank. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 49, n. 8, p. 604-612, 2014.

CORRADO, F.; WUIDART, W. Germination des graines de palmier à huile (E. guineensis) em sacs de polyétylène. Méthode par “charleur sèche”. Oléagineux, v. 45, n. 11, p. 511-514, 1990.

GREEN. M.; LIMA, W. A. A.; FIGUEIREDO, A. F.; ATROCH, A. L.; LOPES, R.; CUNHA, R. N. V.; TEIXEIRA, P. C. Heat treatment and seed germination of oil palm (Elaeis guineensis Jacq.). Journal of Seed Science, v. 35, n. 03, p. 296-301, 2013.

GUERRERO, J.; BASTIDAS, S.; GARCÍA, J. Estandarización de uma metodologia para germinar semillas del híbrido interespecífico Elaeis oleifera H.B.K. x Elaeis guineenses. Revista de Ciências Agrícolas, v. 28, n. 1, p. 132-146, 2011.

HUSSEY, G. An analysis of the factors controlling the germination of seed of the oil palm, Elaeis guineensis (Jacq.). Annals of Botany, v. 22, n. 86, p. 259-284, 1958.

LIMA, W. A. A.; LOPES, R.; GREEN. M.; CUNHA, R. N. V.; ABREU, S. C.; CYSNE, A. Q. Heat treatment and germination of seeds of interspecific hybrid between American oil palm (Elaeis oleifera (H.B.K) Cortés) and African oil palm (Elaeis guineensis Jacq.). Journal of Seed Science, v. 36, n. 4, p. 451-457, 2014.

MUNGUIA, O.; COLLINS, J. Óleo de ojon. Revista Passo a Passo. n. 65, p. 10, 2006.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES − Comitê de Vigor de Sementes, 1999. p. 2.1-2.24.

PATIÑO, V. M. Historia y dispersión de los frutales nativos del Neotrópico. Cali: Centro Internacional de Agricultura Tropical – CIAT, 2002. 655 p.

R Core Team. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna, Austria: The R Foundation for Statistical Computing, 2011.

REES, A. R. High-temperature pre-treatment and germination of seed of oil palm, Elaeis guineensis (Jacq.). Annals of Botany, v. 26, n. 4, p. 569-581, 1962.