Emergência e crescimento inicial de plântulas de Swietenia macrophylla (King) em função da posição da semente e presença do endocarpo

  • Luiz Fernades Silva Dionisio Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
  • Oscar José Smiderle Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA/RR)
  • Raiovane Araújo Montenegro Universidade Federal de Roraima-UFRR
  • Walmer Bruno Rocha Martins Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
  • Pedro Henrique Oliveira Simões Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
  • Denmora Gomes de Araújo Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA

Resumo

O mogno (Swietenia macrophylla King) é uma Meliaceae de alto potencial econômico, encontrada nas florestas de terra firme da Amazônia brasileira, sendo uma das espécies mais exploradas no Brasil e por isso ameaçada de extinção. O estudo objetivou avaliar o efeito da posição de semeadura e presença de endocarpo na emergência e crescimento inicial de plântulas de S. macrophylla. O delineamento foi inteiramente ao acaso, com quatro repetições de 25 sementes, disposto em esquema fatorial 3 × 2 (posições e endocarpo). Os tratamentos consistiram em diferentes posições das sementes no substrato tendo como referência o poro germinativo: 0° – poro germinativo voltado para cima – PGC; 90° – poro germinativo voltado para o lado – PGL; 180º – poro germinativo voltado para baixo – PGB. Foram avaliados: a percentagem de emergência, tempo médio de emergência, diâmetro do coleto, número de folhas, altura da parte aérea, comprimento de raiz, massa seca da parte aérea e massa seca da raiz. As posições da semente afetam o percentual e o tempo médio de emergência de plântulas de S. macrophylla. A posição 0º proporciona maiores porcentagens de emergência e menor tempo médio de emergência. Para favorecer a emergência e crescimento inicial de plântulas de S. macrophylla, a semeadura deve ser realizada com o poro de germinação da semente voltado para cima, sem a presença do endocarpo.

Biografia do Autor

Luiz Fernades Silva Dionisio, Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
Eng. Florestal, Doutorando do Programa de Pós-graduação em ciências florestais ppgcf/UFRA
Oscar José Smiderle, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA/RR)
Doutor em Fitotcnia. Pesquisador Tecnologia de Sementes. Atua na área de Agronomia, com ênfase em Produção, Beneficiamento e Armazenamento de Sementes, tratamento e qualidade de sementes, camu-camu e em cultivo de plantas oleaginosas (amendoim, gergelim, girassol, inajá, mamona, pinhão-manso, soja), soja-hortaliça e propagação de mogno africano, cedro doce, centrolobium e fruteiras nativas da Amazônia.
Raiovane Araújo Montenegro, Universidade Federal de Roraima-UFRR
Graduando do curso de Agronomia da Universidade Federal de Roraima-UFRR
Walmer Bruno Rocha Martins, Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
Eng. Florestal, mestrando do Programa de Pós-graduação em ciências florestais ppgcf/UFRA
Pedro Henrique Oliveira Simões, Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
Eng. Florestal, mestrando do Programa de Pós-graduação em ciências florestais ppgcf/UFRA
Denmora Gomes de Araújo, Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA
Doutorado em Ciências (Energia Nuclear na Agricultura)
Publicado
2017-10-03
Seção
Artigos Científicos